É formada por 20 coletivos regionais em nove estados brasileiros que ocupam mais da metade do tamanho do país, envolvendo mais de 600 entidades representativas de agricultores, seringueiros, indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco babaçu, pescadores, ribeirinhos e entidades ambientalistas, de assessoria técnica, de comunicação comunitária e de direitos humanos. Com a ajuda de suas regionais, a rede vem gerando novas políticas e atitudes ao lado de seus parceiros e fóruns socioambientais. Por meio de projetos e mobilizações mostra que os maiores guardiões da biodiversidade estão nas florestas, e que a cooperação desses povos é essencial para encontrar o rumo da sustentabilidade.